“Em termos de subsídio, o que temos de específico – e imprescindível – é para inovação”, afirma presidente do BNDES

Por Solange Monteiro, do Rio de Janeiro

O BNDES reportou a aprovação de R$ 218,5 bilhões em créditos em 2023, um aumento de 44% em relação ao ano anterior. Na coletiva de imprensa sobre os resultados do ano passado, Alexandre Abreu, diretor financeiro e de crédito digital do BNDES, destacou o crescimento de 53% nas aprovações para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), totalizando R$ 107 bilhões, “para o qual colaborou o aumento da ação do banco como repassador via cooperativas de crédito”, afirmou. Em termos de atividades atendidas, o maior aumento de aprovações se deu na agropecuária (53% em relação a 2022), com R$ 41,4 bi, seguida da indústria, com aumento de 41%, para R$ 31,7 bilhões. Abreu destacou que no quarto trimestre de 2023 o banco atingiu a maior carteira de crédito dos últimos 5 anos, de R$ 515 bilhões, expansão de R$ 35 bi em relação ao quarto trimestre de 2022.

O lucro líquido recorrente do banco foi de R$ 11,9 bilhões, 5% menor do que em 2022, resultado que o diretor atribuiu aos pré-pagamentos ao Tesouro no quarto trimestre de 2022. Sem eles, projetou, o resultado de 2023 seria R$ 1,1 bilhão maior, superando em R$ 500 milhões o número de 2022. Aloizio Mercadante, presidente do BNDES, destacou como positiva a prorrogação do pagamento de R$ 23 bilhões ao Tesouro no ano passado. “Para cobrir a diferença que teríamos, o plano previa a venda de R$ 20 bilhões em ativos. Preferimos negociar com o TCU e o Tesouro, e foi uma decisão acertada”, afirmou, destacando que a carteira de participações do banco – da qual 51% são Petrobras – valorizou 28% em 2023.

BNDES em 2023: aumento de 44% no crédito aprovado em relação a 2022
(em R$ bilhões)

 

Aumento de 53% no crédito para MPMEs 
(em R$ bilhões)

 

Aprovações em 2023 por setor


Fonte: BNDES.

Mercadante afirmou que o aumento do crédito se deu em condições sólidas, com a manutenção de uma baixa taxa de inadimplência (0,01%), e bom índice de capital, com o índice de Basileia em 31,5%, pra um imite de 10,5%. Nelson Barbosa, diretor de Planejamento e Estruturação de Projetos do Banco, ressaltou a expansão da participação do banco no apoio às exportações (R$ 13,5 bilhões em aprovações, contra R$ 4,9 bi em 2022) e em apoio à inovação – R$ 5,3 bilhões contra R$ 2,3 bilhões na mesma comparação. Desse total de 2023, R$ 3,5 bilhões referem-se ao programa BNDES Mais Inovação, que começou a operar em setembro com recursos do FAT e juros referenciado na TR, taxa abaixo da de mercado, usada para corrigir as cadernetas de poupança. Até fevereiro deste ano, já foram anunciadas aprovações com recursos do programa para empresas como Positivo, Volkswagen,  Embraer e a Hypera, da área de saúde. A estimativa inicial é de que o BNDES Mais Inovação libere em torno de R$ 5 bilhões por ano em projetos para inovação e digitalização, e sirva como apoio à política de créditos subsidiados prevista na Nova Indústria Brasil (NIB), que tem alimentado debates sobre seu efeito macroeconômico, bem como sobre a eficiência alocativa desses capitais  – leia mais aqui .

Na coletiva, Mercadante defendeu que desde a crise internacional de 2008, seguida pela Covid, deflagrou-se uma crise geopolítica “com deslocamento das cadeias globais semelhante ao observado na Segunda Guerra”, com uso de forte política de subsídios nas economias desenvolvidas.   “É muito importante que tenhamos esse respaldo, para explorar nossas vantagens competitivas, atraindo investimentos que agreguem valor à cadeia produtiva”, afirmou, citando o exmeplo da Volkswagen, para a qual o banco aprovou um desembolso de R$ 500 milhões. “Assim contribuímos para que a Volks atraia seu setor de pesquisa e desenvolvimento para lançar 17 novos produtos no Brasil, envolvendo a migração para o carro híbrido elétrico-etanol”, citou. “Das operações de 2023, 82% foram a taxas de mercado. O que temos de subsídio específico – o que não é o caso do Plano Safra –, que é imprescindível ao Brasil, é a inovação”, afirmou.

Apoio às exportações
(aprovações, em R$ bi)

 

Apoio à  inovação 
(aprovações, em R$ bi)


Do total de 2023, R$ 3,5 bi são do programa BNDES Mais Inovação.

 

Composição dos desembolsos em 2023
(em R$ bi)


Fonte: BNDES.

Mercadante também destacou as captações para impulsionar o Fundo Clima e a aprovação da LCD – Letra de Crédito de Desenvolvimento. No evento Barbosa afirmou que a demora na tramitação do projeto da LCD no Congresso se deu pelo conhecimento prévio sobre as mudanças na regras de emissão das emissão das Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e do Agronegócio (LCA) que o Conselho Monetário Nacional (CMN) anunciou no início do ano. “De fato, as regras estavam muito abertas, e o projeto da LCD já foi feito sob essa nova ótica, restrito aos bancos de desenvolvimento, que no Brasil são quatro”, afirmou. Para Barbosa, essas mudanças de regra podem aumentar o interesse por LCDs.  “Esperamos que o projeto esteja aprovado ainda este semestre, para que a primeira emissão aconteça ainda ao longo deste ano.”

 


As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do autor, não refletindo necessariamente a opinião institucional da FGV.

Subir