Nesta edição – julho 2021

Carta do IBRE – Desafio da Amazônia deve ser posto no devido contexto social, econômico e político

A piora do desmatamento na Amazônia cria uma enorme pressão internacional sobre o país, com cobrança de políticas que abracem o que há de mais avançado em questões ambientais. O grande problema é que a política nacional para a Amazônia não é algo que se decida e se pratique no vácuo. É preciso a geografia, a história e a evolução econômica, política e institucional dos estados que compõem a área amazônica no Brasil. Apenas a partir de um diagnóstico realista é possível avaliar quais são as políticas públicas que podem melhor mitigar os problemas da região. 

Ponto de Vista –  Radiografia da melhora no endividamento público

Um dos motivos que explicam a valorização do real é a surpreendente melhora ocorrida no endividamento do Estado brasileiro. Para se ter uma ideia disso, em junho esperava-se que a dívida bruta do governo fecharia 
este ano em 93,5% do PIB. Agora, a previsão do IBRE é que feche o ano em 84% do PIB, uma melhora de 9,5 pontos percentuais.

Entrevista – Sem Estado não há sociedade

Presença constante nos noticiários desde o início da pandemia, onde busca decodificar os caminhos da ciência para vencer a Covid-19, o médico Gonzalo Vecina Neto, fundador e primeiro diretor-presidente da Anvisa, se diz um pouco mais otimista com o panorama brasileiro na contenção da doença, graças à contratação de mais vacinas, mas externa sua preocupação com a herança desse episódio para o sistema de saúde. Defensor do apoio público para que a pesquisa e a indústria nacional de biotecnologia evoluam, alerta que “financiamento da saúde é uma das discussões que deveríamos pensar em travar, mas ainda não o fizemos”.

Macroeconomia – Reordenar as políticas sociais

A pandemia internacional da Covid agravou a situação social particularmente precária de parcela importante da população brasileira, bem como acentuou as dificuldades a serem equacionadas pelas políticas públicas, sobretudo as sociais. É hora de aproveitar a crise para repensar instituições, regras e práticas. Como uma possível iniciativa nessa direção, se poderia adotar um Código da Ordem Social, que buscasse harmonizar as ações públicas previstas no Título VIII da Constituição Brasileira.

Capa | Crescimento econômico – Um plano para o país 

Diferentemente de outras economias mais bem-sucedidas em conter o avanço da Covid-19, o Brasil fecha a primeira metade do ano com a pandemia ainda bem presente na vida da população. Em suas colaborações em entrevistas, publicações e webinars, pesquisadores do FGV IBRE têm analisado duas dimensões do desafio de superá-la sob o ponto de vista econômico. A primeira, de curto prazo, envolve dosar os elementos positivos e negativos dispostos até agora na balança da recuperação. A segunda, de mais longo prazo, trata de estimar a combinação das sequelas deixadas pela crise sanitária com os desafios estruturais com os quais o país se defrontava antes mesmo da Covid-19.

 

 

 

Subir