Nesta edição – agosto 2021

Carta do IBRE – O espaço fiscal para além das angústias do ano eleitoral

O espaço fiscal criado, em grande parte pela alta inflacionária, se por um lado deu um alívio temporário nas contas públicas, por outro deixa uma questão em aberto: o que fazer com o espaço fiscal que existe? Consumi-lo com emendas parlamentares descoordenadas ou ao sabor das mais variadas pressões de grupos de interesses é não só inútil, como contraproducente. O desafio, portanto, é determinar com boa técnica e prudência o espaço fiscal existente e utilizá-lo de forma eficaz para acelerar o crescimento e reduzir as desigualdades sociais sem comprometer o equilíbrio das contas públicas.

Entrevista –  “Ainda não discutimos a reforma trabalhista a sério no Brasil”

Os efeitos da pandemia no mercado de trabalho jogaram novas variáveis no campo de análise dos economistas concentrados em identificar as tendências futuras para o emprego, ainda sob um cenário alterado pela proporção do choque sanitário. Home office, digitalização da economia e qualificação dos trabalhadores para responder às mudanças estruturais do mundo do trabalho. Para Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador do FGV IBRE, esse quadro está diretamente relacionado ao crescimento do país. “Trata-se de produtividade, de identificar formas de o país incorporar mais gente e melhor, tirar o Brasil da estagnação na renda média baixa e dar o salto que todos querem”, afirma, nesta entrevista à Conjuntura Econômica

Macroeconomia – As emendas parlamentares como novo mecanismo de captura do Orçamento

Se por um lado importantes avanços foram alcançados na gestão pública e orçamentária nos últimos anos, por outro preocupantes atrasos estão ocorrendo. Eles se inserem dentro do problema, já muito conhecido da literatura sobre finanças públicas, de “captura do Orçamento”, no qual há muito tempo registram-se práticas diversas com essa finalidade. Elas vão desde os privilégios de algumas corporações, até algumas renúncias tributárias de escassa fundamentação técnica. Dos investimentos totais do governo, 51% são de emendas parlamentares.

Capa | Retomada – Alinhar expectativas

Da aprovação de vacinas contra a Covid-19 e início da imunização, em dezembro de 2020, ao anúncio, em maio deste ano, do fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em ambientes abertos e fechados nos Estados Unidos, uma espiral de euforia tomou conta de corações e mercados do globo. Mas a heterogeneidade desse processo de recuperação e a particularidade de alguns choques comprovaram que os progressos na luta contra o vírus não eram absolutos, e a normalização da atividade econômica pode levar mais tempo do que se esperava.

 


Clique aqui para ler a versão digital Conjuntura Econômica

Subir