Nesta edição – acesso gratuito

Clique aqui para ler a versão digital da Conjuntura Econômica

Carta do IBRE –  Mercado de trabalho surpreende, mas problemas estruturais permanecem

O mercado de trabalho surpreendeu positivamente no primeiro semestre deste ano, com o número de pessoas ocupadas aumentando em 2,5 milhões, na comparação do trimestre abril-maio-junho de 2022 com o último trimestre de 2021. Com isso, a taxa de desemprego caiu de 11,1% em dezembro para 9,3% em junho, em comparações trimestrais. Apesar dessa melhora, a Carta do IBRE pontua que ainda permanecem muitas dúvidas sobre a possibilidade dessa dinâmica de melhora ser persistente e sustentável.

Ponto de Vista –  Como ler a economia americana?

Para a coluna, será necessária uma política monetária mais contracionista para que o serviço de controlar a inflação nos EUA seja feito. Ao longo do segundo semestre de 2022 ou no início de 2023, esse fato ficará claro. A recessão americana ficará para o segundo semestre de 2023 ou para a virada de 2023 para 2024. Esta é a aposta da coluna.

Entrevista –  Embora prevaleça a agenda social, é preciso sinalizar com o equilíbrio fiscal

Ex-pesquisadora do FGV IBRE e atual diretora da Instituição Fiscal Independente (IFI), Vilma da Conceição Pinto reconhece que o efeito dos sequentes choques que o mundo tem vivido leva a uma demanda maior por gastos sociais, e por isso reforça a necessidade de o próximo governo não deixar a disciplina com as contas públicas de lado – por exemplo, anunciando uma agenda de revisão ou harmonização das regras fiscais, sendo a principal o teto de gastos. “O que não dá é pra ficar sem qualquer âncora fiscal”, defende.

Macroeconomia –  Disponibilidade financeira versus espaço fiscal

A evolução nominal nos últimos anos e o volume atual do saldo do caixa do conjunto de estados e municípios foram citados por autoridades econômicas e por executivos do mercado financeiro como razão básica pela qual se poderia reduzir o Imposto sobre Circulação de Mercadorias (o ICMS) dos combustíveis. A tese simplória é que, como o caixa aumentou muito e se apresenta hoje volumoso, se poderia reduzir aquele imposto sem qualquer impacto fiscal ou cidadão.

 Capa | Social – Combate à pobreza

A insegurança alimentar no Brasil aumentou, e em algumas regiões já supera a média da América Latina. A preocupação com a fome é a preocupação com uma das faces mais dramáticas da escalada da pobreza. Se aliviá-la é primordial, eliminá-la depende de uma agenda que se revela ainda mais desafiadora, que inclui tornar o Auxílio Brasil mais eficaz e comportar dentro do Orçamento uma demanda ampliada por proteção, sob um contexto complexo também para a educação e o mercado de trabalho.

 


Clique aqui para ler a versão digital da Conjuntura Econômica

Subir